quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Não crie expectativas, assinado “A freira”

Adorocinema



Trailer banido do Youtube por ser assustador demais, filme do mesmo universo do aclamado Invocação do Mal, James Wan na direção... É, confessamos que entramos na sala de cinema com as expectativas lá no teto e preparadas para não dormir pelas próximas 2 semanas. Mas... Você verá, a seguir, a opinião de cada uma de nós após a subida dos créditos.

Relatos de Carla Lorena:

O filme veio contar a história da horripilante aparição do segundo filme da franquia mais aclamada de terror dos últimos anos e... só! É um spin off válido, mas não criou a mesma atmosfera dos outros filmes. Como vários de vocês, eu tinha uma certa expectativa quanto"A Freira/The Nun" por causa do histórico de um dos diretores - James Wan - e fiquei um pouco decepcionada.
Bom, clichê. Sim, há muitos aspectos clicheístas no filme e foi exatamente isso que me decepcionou. Posso até dizer por mim só, mas como uma espectadora ávida de filmes nesse estilo, notei muitos pontos em que os roteiristas deixaram a desejar. Sabe aquela cena clássica que o fantasma aparece e a pessoa o segue? O filme teve muuuito disso! É exatamente isso que queremos evitar nas novas obras de terror. Até porque o que chama mais atenção é a criatividade e a fuga dos clichês, isso deixa tudo mais interessante.
Taissa Farmiga não me impressionou muito na atuação também, bom, ela não é uma das minhas preferidas, como vocês sabem, a irmã dela já tem uma das cadeiras ocupadas no meu ranking de melhores atrizes do mundo! Ela foi muito "igual", não tinha muitas expressões diferentes, etc. Os outros atores já foram mais convincentes.

Adorocinema


Não tem muito mais sobre o que falar desse filme, então já vou pular pro final! Mas antes, um comentário sobre o início: há uma cena de uns quatro minutos de "Invocação do Mal/The Conjuring", o que aumenta as expectativas até o teto! Voltando, o final dele foi muito bom (agora sim, né? hahaha)! Foi muito bom porque eles conseguiram encaixar o contexto do filme que estamos comentando dentro do "Invocação do Mal/The Conjuring", e aí (SPOILER) aparecem a Vera Farmiga e o Patrick Wilson (um dos casais mais legais de todos os tempos), como senhor e senhora Warren, e talvez isso tenha salvo um filme de uma crítica negativa bem pior!
Só mais um comentário, aproveitando o gancho de spin off's, "Annabelle 2" que é melhor que o 1, também conseguiu se encaixar em "A Freira/The Nun" e "Invocação do Mal/The Conjuring", o que é bem legal!

Relatos de Caroline Eulália

Eu sou uma daquelas pessoas que morre de medo de filmes de terror (sério, bastante medo mesmo, do tipo que passou longe de bueiros depois de It - A coisa), mas que, ao mesmo tempo, morre de curiosidade e até gosta do friozinho na barriga causado por esse gênero. E foi esperando um terror de arrancar calafrios que entrei na sala de cinema.
O que encontrei, de início, foi um filme com uma bela fotografia, uma ótima ambientação e situações que nos fazem pensar “É, o negócio vai ficar feio”. Porém, ao decorrer do longa, os sustos clichês (personagens aparecendo em espelhos, vultos e etc) deixaram um pouco a desejar e fizeram com que “A freira” não alcançasse o mesmo charme dos outros filmes da franquia. Ah, uma sensação que tive com a história da assustadora personagem foi mais de uma ficção científica, não deixando aquele efeito de medo durante e após o filme, o que para mim, o tornou esquecível.
Mas, gostaria de destacar o alívio cômico causado por Frenchie (interpretado por Jonas Bloquet), percebi que isso vem ocorrendo nos filmes de terror (como em It) e considero uma ótima estratégia para os medrosos de plantão (como eu), pois dá para dar uma respirada antes de mais um susto.

Adorocinema

E, sobre a cena final: SIMPLESMENTE PERFEITA, um link incrível!


Com isso, aprendemos que trabalho em grupo nem sempre da certo, né James? Ou talvez seja só culpa dos roteiristas, vai saber... E tomara que o "Homem Torto/Crooked Man" seja um spin off melhor! Vamos manter nossas expectativas mais humildes dessa vez, ta bom?


Nota: 6,0/10,0

Observações finais:

Dublagem boa, mas algumas atuações nem tanto.
Muitos clichês.
Aumentaram nossa expectativa até o teto, depois enterraram no subsolo (literalmente), depois subiram de novo.
Conseguiram encaixar o spin off na obra primogênita.
Uma curiosidade é que o filme se passa nos anos 50, mas parece que é idade média.

domingo, 3 de setembro de 2017

A Caixa - Desafio de Conto


   A Caixa

– Pai, você ouviu isso?
– Ouvi. Eles estão se aproximando – disse o pai sussurrando pro filho enquanto pregavam tábuas de madeira sobre a porta.
O menino magro e energético estava trêmulo. Carregava pregos e um martelo para que o homem mais velho pregasse as tábuas nas portas e janelas.
Ele girava a cabeça com muita frequência, tentando escutar qualquer mínimo ruído. Se escutasse, significaria que eles haviam chegado. Estariam ali em sua casa e então seria difícil demais escapar.
– Vamos filho, para o sótão.
O pai achava que o sótão era o lugar mais seguro da casa pois o único modo de subir até lá, era abaixando uma escada e depois que subissem, ela subiria junto. Haviam juntado comida suficiente para os dois, cobertores e água no sótão. Conseguiriam viver ali por, pelo menos, quatro semanas.
Era uma casa grande, não gigantesca. O menino passou a vida inteira la. A mãe do garoto faleceu há pouco tempo e infelizmente, praticamente, faleceu nos braços do marido. Às vezes o menino tinha pesadelos com a lembrança do que aconteceu naquele dia: ele ouviu seu pai levar um susto e quando ele foi ver, sua mãe estava no chão da sala de estar. Tinha sangue saindo pelos olhos e ela balbuciava algumas coisas que ele não compreendia. Seu pai estava com sangue nas mãos e ela em seu colo. O menino ficou ali, paralisado. “Eu chamei a emergência, filho, por favor, não fique aqui!”. O menino virava de costas e começava a chorar e então acordava.
Os dois colocaram a escada no chão e começaram a subir quando o pai se lembrou de uma coisa muito importante.
– Filho, eu não peguei a caixa! Eu vou voltar para buscá-la...
– Não! Eu vou, eu sou mais rápido que você!
– Seja cauteloso.
Depois da morte da mãe, o menino viu o pai várias vezes sentado chorando em algum canto da casa segurando aquela caixa de madeira escura. Era pequena, do tamanho de uma palma. Ele nunca soube porque seu pai sempre estava com aquela caixa nas mãos. Nunca perguntou.
O menino desceu as escadas, respirou fundo e correu em direção ao quarto dos seus pais onde seu pai disse que a caixa estava. Deve ser muito importante pra precisar voltar e pegá-la, pensou. Ele entrou no quarto e ouviu um ruído vindo do andar de baixo da casa. Eles estavam lá. O menino se apressou e viu a caixa em cima do criado-mudo, perto da janela do quarto. Ele espionou pela janela e avistou muitos daqueles seres sem alma, sem propósito, sem empatia, rodeando sua casa.
O ruído se tornou mais alto e mais próximo.
O menino saiu do quarto e sentiu que alguma coisa estava o observando mas nem sequer olhou para trás e subiu as escadas tremendo e quase chorando. Ele e seu pai subiram a escada até o sótão e fecharam a porta. Respiraram aliviados.
O menino olhava para a caixa, ainda intrigado e finalmente perguntou:
– O que há nesta caixa, pai?
– O sangue da sua mãe, meu filho... A cura pra esses monstros que estão lá fora.



Tã tã tã tããã...
No final, só você pode dizer quem são "eles"!
Bom gente, espero mesmo que tenham gostado! Esse conto, eu, Carla Lorena, escrevi pra um desafio aqui do blog:
- Teria que ser um texto de no máximo 40 linhas;
- Deveria ter um objeto misterioso;
- Os leitores deveriam interpretar o final, dessa forma, pode ter mais de um final diferente,

Preparem-se para outros desafios que virão! Todos estão convidados a participar!
Até a próxima!

terça-feira, 29 de agosto de 2017

5 provas de que Supernatural deu uma repaginada

12 anos de série, 12 temporadas, mais de 260 episódios... E eu só me pergunto, de onde sai tantas tramas, reviravoltas, vilões e histórias! Eu fico imaginando o quanto deve ser difícil o processo criativo para criar episódios diferentes e temporadas com climas diferentes! Mas, vou contar uma coisa para vocês (hunters, não me matem, vim em paz) mesmo amando essa série, confesso que por algumas temporadas (se não me engano, da sétima à nona), senti Supernatural um tanto igual, era como se eu já tivesse visto aqueles episódios, já tivesse visto aquelas tramas... Não deixei de gostar da série, claro, mas ao meu ver, ficou um tanto maçante, sem novidades. 
Mas, com a 12° temporada, recebi um tapa de luva bem na minha cara, pois a série voltou com um ar totalmente novo, vocês com certeza devem ter reparado! E o tema do post é justamente esse, 5 provas de que Supernatural se renovou. Vamos ver se vocês concordam! 

 1) Temas atuais 



Ok, esse é um diferencial da série e é algo que eu admiro muito! Eles sempre conseguem colocar referências atualizadíssimas (lembro direitinho de numa certa temporada eles assistindo Game of Thrones)! E nessa temporada não foi diferente, eles renovaram suas referências! Tivemos assunto sobre Tinder e até uma referência "escondida" ao Negan de The Walking Dead! 

2) Críticas sociais


 Uowwl, vocês repararam o quanto de crítica social que temos nessa temporada? E o quão genial é isso? Principalmente à tecnologia. Com a volta da Mary, pudemos ver claramente o choque dela quanto ao avanço da tecnologia e o quanto isso tem afetado o relacionamento das pessoas. Mas não só à tecnologia, notei algumas outras críticas menos aparentes, como ao machismo no episódio em que Hitler aparece e o quão comercial é a indústria musical no episódio em que eles vão à Hollywood. 

3) Locais novos 


Geralmente, os episódios de Supernatural se passam em cidades pequenas dos Estados Unidos, porém, nessa temporada tivemos cidades como Washington e Los Angeles, mostrando um clima totalmente diferente do que estamos acostumados, e também, ao que Sam e Dean estão acostumados. Foi muito bom ver os personagens em locais diferentes e não se sentindo habituados. 

4) Tramas globais 


Com isso quero dizer QUE SACADA GENIAL FOI AQUELA DE ENVOLVER O PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOSSSSSS!!!!!!!! Fiquei muito surpresa! Esse tipo de trama que envolve o mundo inteiro, deixa tudo muito tenso, tudo muito incrível! É como se ficasse mais próximo da gente, mais real, não sei explicar direito! Além disso, também envolveram um "astro do rock", o que também envolve muita gente, afinal ele era uma figura pública e tinha fãs! A história fica mais complexa e mais interessante, ao meu ver. 

 5) Cenas de ação


 A série nunca deveu em cenas de ação, mas algo estava diferente nessa temporada, elas foram mais grandiosas, algumas pareceram até saídas de filmes Hollywoodianos. Um exemplo que dou, é quando o Ketch, um dos Homens das Letras, explode um carro para ajudar os Winchester.


Esse novo ar que Supernatural trouxe, só serviu para mostrar o quanto a série é forte e o quanto ainda tem o poder de encantar e entreter os fãs. Eu fiquei muito feliz com essa mudança, mas e vocês? Sentiram ela, gostaram? Conta pra gente aí nos comentários!